.posts recentes

. Porquê?

. Luz... do luar

. Saudade...

. Iludimo-nos ou desiludem-...

. As fotos que não tirei!

. Meu DEUS... porquê?

. Desencontro...

. Enquanto é tempo...

. Eu queria ser...

. A vida é um livro

.arquivos

. Outubro 2008

. Agosto 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

Quarta-feira, 28 de Maio de 2008

As fotos que não tirei!

Gosto do mês de Maio. Sim. Tenho mais predilecção por uns meses que por outros. Não é por acaso. Há sempre uma data, uma referência boa ou má, que faz com seja assim.

No entanto, este ano, o quinto mês tem-se manifestado com alguma alteração de "personalidade" e talvez seja isso que tenha também, de alguma forma, contribuído para a nostalgia que me tem assolado ultimamente...

Foi assim, que, numa tarde destas, sem querer, dei comigo folheando o álbum de fotografias que há muito não abria...

A primeira, ao colo da minha mãe, quando assistia embevecida e radiante, àquele circo de rua, itinerante, que mostrava ao público as habilidades de um pequenito símio envergando um minúsculo vestido vermelho com pintas e que acudia pelo nome de Bélinha.

Mais algumas e a minha entrada na escola. Tinha medo. Era um caminho novo e desconhecido! Só a mão da minha mãe, que eu apertava com força, me concedia um laivozito de segurança. O medo era inerente e proporcional à falta de confiança que sempre tive em mim própria. Não sei explicar. É sempre assim inicialmente, mas depois, desaparece.

A seguir, a fotografia de grupo. A minha primeira professora que eu admirava tanto e as minhas amiguinhas. Ainda hoje lembro as datas dos seus aniversários e recordo com saudade as brincadeiras ao ar livre que duravam até que a minha mãe gritava: - Z......, vamos jantar.

E esta, tão engraçada. Pensei. Rostinho sorridente. Uma felicidade imensa com cada avaliação recebida. Uma compensação valiosa pelo empenho e brio colocados em cada trabalho realizado.

E aquela do meu avô, curvado sobre si próprio ou sobre o tempo? Sempre o conheci assim.

Outra. Do meu pai. Rosto cansado e crestado, mas sempre com um desapertado sorriso.

Esta, da minha maninha mais nova. Pequerrucha e moreninha envolta numa mantinha branca, recém-chegada à nossa casa, nos braços da minha mãe.

E ali, a maninha mais velha, que desempenhou tantas vezes, o papel da minha mãe...

Outra, outra e mais outra... Um álbum de vida com tantas, tantas fotografias que não tirei...

 

publicado por disa às 23:25
link do post | comentar | favorito
|
2 comentários:
De Anónimo a 29 de Maio de 2008 às 21:36
Brilhante !
Demasiado comovente para quem conhece a tua (a nossa) vida.
Beijinhos
MDM
De disa a 29 de Maio de 2008 às 22:42
Tão importantes essas palavras, para mim!
O teu beijinho de sempre...

Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Outubro 2008

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
24
25
26
27
28
29
30
31
blogs SAPO

.subscrever feeds