.posts recentes

. Porquê?

. Luz... do luar

. Saudade...

. Iludimo-nos ou desiludem-...

. As fotos que não tirei!

. Meu DEUS... porquê?

. Desencontro...

. Enquanto é tempo...

. Eu queria ser...

. A vida é um livro

.arquivos

. Outubro 2008

. Agosto 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

Quarta-feira, 10 de Outubro de 2007

Pensemos...

"- O que mais o surpreende?

- Os Homens!

Perdem a saúde para juntar dinheiro e depois perdem o dinheiro para recuperar a saúde.

Pensam ansiosamente no futuro e acabam por não viver nem o presente nem o futuro.

Vivem como se nunca fossem morrer e morrem como se nunca tivessem vivido!"

(Dalai Lama)

publicado por disa às 19:05
link do post | comentar | favorito
|
Segunda-feira, 8 de Outubro de 2007

Uma andorinha que...

Era alegre, muito alegre! Chegou em bando e foi-lhe recomendado que teria de escolher e demarcar o seu espaço. Assim fez.

Um pedacinho de barro... e mais outro. Ops... caíu. Há que refazer tudo de novo. É sempre assim. É preciso recomeçar. Aliás, é imperioso recomeçar só assim se pode continuar. Mas aquela andorinha era demasiado perfeccionista! Ela não olhava, ela contemplava embevecida, a obra que aos poucos ia construindo.

Sem dar por isso, perdeu tempo demais. Era tempo de acasalar e ela não tinha terminado o seu ninho. As suas companheiras já estavam a nidificar e a sua "obra de arte" continuava por concluir.

Os primeiros "piu, piu, piu", começaram a irromper dos ninhos vizinhos e ainda aquele não estava pronto...nunca iria estar pronto!

Aquela andorinha perdera-se no caminho!

No final do Verão, as outras partiram em bando familiar. Ela ficou. Não tinha construído nada! Encontrava-se sózinha e estava triste, muito triste, não tinha ânimo, o tempo passara e ela não dera por isso!

E não foi o destino. Foi a escolha. Entre o amor e o medo ela escolheu o medo e este paralisou-a. Medo de falhar, medo de ser forte, medo de não conseguir superar os obstáculos e, por isso, numa vertente unidimensional não foi além da parte material.

Mas durante todo o tempo em que ela ficou sózinha, naquele Inverno, dentro do ninho para se proteger do frio rigoroso, pensou muito e desenvolveu uma nova relação - aprendeu a amar-se! Saíu de si própria, abriu as portas ao mundo e descobriu a única realidade que existe: a realidade do momento, livre do medo.

Descobriu, também, que os que estabelecem objectivos têm mais probabilidade de os alcançar, sobretudo se provindos do coração!

O perfeccionismo é inimigo da felicidade!

Naquele período de solidão aquela andorinha descobriu tantas coisas em que antes não reparara!

Descobriu que podemos sempre mudar a maneira como interpretamos o que acontece à nossa volta: há sempre uma oportunidade diferente de compreender o mundo!

O medo apresenta múltiplas faces: perfeccionismo, obsessão, insegurança, timidez....

Esta andorinha aprendeu com o(s) erro(s) e... nunca mais será a mesma!

Reconheceu os malifícios do medo e, decididamente, escolheu o amor!

 

publicado por disa às 12:50
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Outubro 2008

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
24
25
26
27
28
29
30
31
blogs SAPO

.subscrever feeds