.posts recentes

. Porquê?

. Luz... do luar

. Saudade...

. Iludimo-nos ou desiludem-...

. As fotos que não tirei!

. Meu DEUS... porquê?

. Desencontro...

. Enquanto é tempo...

. Eu queria ser...

. A vida é um livro

.arquivos

. Outubro 2008

. Agosto 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

Domingo, 31 de Dezembro de 2006

Ano Novo!

Dentro de pouco tempo vem aí um Novo Ano!

Aqui e ali as pessoas comemoram!

Mas o que comemoram as pessoas?

As dificuldades que ultrapassaram? Os momentos menos bons que superaram?  A saúde de que desfrutaram? O emprego que tiveram? A estabilidade? O carinho e a companhia dos familiares e amigos? A amizade? O amor?

Ou será que (quase) nada disso é valorizado e a comemoração constitui, um apelo à realização de sonhos utópicos situados, algures, num futuro distante e incerto?

Pior, ainda, é se festejam (por vezes, com excessos), para esquecer durante, pelo menos, escassas horas, mágoas, dependências, submissões, falta de coragem, ...

A nossa vida é um caminho! Um caminho  de sentido único! Nem marcha atrás é permitida! O que foi feito foi feito e o que não se fez perdeu-se, definitivamente!

Não vivemos no passado nem no futuro! Nem sequer no hoje! Apenas no ínfimo instante que duram um sorriso, um olhar, um olá, uma carícia, um beijo! Bens duradouros que não se encontram disponíveis no mercado de transacções! Não se compram nem se vendem, apenas se dão! E se forem verdadeiros são como as pérolas: eternas!  Duram para sempre!

Hoje, não quero falar de hipocrisia, não!

Quero acreditar nas pessoas!

Quero pensar, apenas, que na incredulidade, no cepticismo, no preconceito, no egoísmo, na arrogância,... com que nos deparamos ao longo do ano, há uma história de vida que contribuiu para petrificar esses corações! 

Saibamos, então,  usar o escopo infalível da amizade e do amor e, dessas pedras toscas, surgirão diamantes lapidados que reluzirão, também!

 

publicado por disa às 23:45
link do post | comentar | favorito
|

Nostalgia

De madrugada,

No leito ainda deitada,

Chorei de tristeza!

Ao longe...

O dlim, dlão, do sino da igreja

Fez-me  lembrar

Que depois da minha morte

Não mais tenho a sorte

De o ouvir repicar!

publicado por disa às 22:17
link do post | comentar | favorito
|
Domingo, 24 de Dezembro de 2006

Cor das palavras

Há palavras

Que não são apenas sons!

Tons de paleta

Pintam cada letra

Com a cor 

Do amor!

   

 

publicado por disa às 11:44
link do post | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 20 de Dezembro de 2006

Natal

Espírito de Natal

Verdadeiro

É dar ,

Mas amor,

O ano inteiro!

 

 

  

publicado por disa às 22:57
link do post | comentar | favorito
|
Segunda-feira, 11 de Dezembro de 2006

Ao arrepio da vida

Já todos, um dia, tivemos contacto com pessoas que nasceram com alguma incapacidade física ou intelectual e que, por isso, transportam em si alguma diferença!

Há pessoas que, de forma total ou parcial, são incapazes de ver, de ouvir, de andar, mas vivem ou convivem com esse déficit e são felizes! Não se deixam abater, lutam com as armas que elas próprias criaram e são adoráveis!

No entanto, há uma incapacidade que não se vê, só se sentem os danos irreparáveis que provoca. Refiro-me à incapacidade congénita para amar!

São pessoas que não se amam a si próprias, nem amam os outros; passam 24 horas a reclamar contra tudo e contra todos; neste momento os outros estão errados mas, no momento seguinte, eles também não estão certos do que gostam do que querem; não têm objectivos, caminham sem direcção!

Vivem numa luta constante sem conseguir reflectir que este comportamento não conduz  à alegria, à felicidade mas sim a becos escuros e isolados! Ódio gera ódio e nunca amor e estima.

O seu ego é muito maior que o coração! Não sabem dar carinho mas, também, não o sabem receber!

Se é Verão é porque faz calor, se é Inverno faz frio, o contrário é que seria sempre bom! Digo seria, porque há sempre uma condicionante em cada instante da vida destas pessoas!

Não apreciam a luz do sol nem do luar, a brisa fresca numa noite de Agosto, um pôr-do-sol, as primeiras chuvas no final do Verão, o florir de uma planta, o sorriso no rosto de uma criança, até a própria família é um peso que "carregam" ! São hábeis em criar sentimentos de culpa naqueles que os rodeiam! A culpa do que fizeram e, também, do que não fizeram, é sempre dos outros e nunca deles!

Desta forma, os laços de amor fundamentais  na edificação da estrutura psicológica de um ser humano não são criados e, estes, ávidos de amor ou conseguem colmatar esta lacuna ou não conseguem e são eles, também, seres marcadamente diferentes!

E porquê? Porquê? Tantos e tantos porquês sem resposta!

Porquê é que uns, invisuais, conseguem ver o brilho e a beleza de tantas e tantas coisas boas  que a vida tem e outros, vendo, não as apreciam?

Será que é porque só valorizamos as coisas quando não as temos?

Não existirá uma grande proporcionalidade entre o amor que semeamos e o que colhemos? 

Não será o amor a única essência da vida e tudo o resto materialmente efémero?

Porquê desperdiçar uma vida inteira, única e tão curta, vivendo ao contrário dela?

Deixar apenas uma marca negativa, porquê?

Para estas pessoas a palavra solidão, um dia, terá um sentido literal - estar só!

Aí, a culpa, certamente, também será dos outros!

 

publicado por disa às 23:26
link do post | comentar | favorito
|
Domingo, 10 de Dezembro de 2006

Amar é...

Amar

É abrir o coração,

E tirar

Carinho, ternura

E dar!

Sem limite,

Sem hesitação

E esperar

Humildemente,

De ver no olhar

Doçura,

Somente!

 

 

publicado por disa às 23:14
link do post | comentar | favorito
|
Sexta-feira, 8 de Dezembro de 2006

Momento...

Demos as mãos,

Entrelaçámos os dedos,

Com a voz do olhar

Trocámos segredos!

 

Cedendo ao desejo

Que ambos sentimos,

Num doce beijo

Os lábios unimos!

 

Ao sabor da paixão

Doces notas ecoaram

E ao som dessa canção

Dois corações se amaram!

 

Ao prazer abandonados,

Esquecemos a dor,

Nossos corpos colados

Trocaram amor!

 

  

publicado por disa às 15:44
link do post | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 6 de Dezembro de 2006

Que luz?

Raios de sol

Na minha janela,

Não são de luz, não!

São pedaços de noite

Que fazem crescer

Minha imensa escuridão!

 

publicado por disa às 12:47
link do post | comentar | favorito
|
Terça-feira, 5 de Dezembro de 2006

Opção

Algures,
Num cruzamento da vida
Fiz STOP,
Parei.
Fechei os olhos
E dentro de mim olhei!
Vi dois caminhos:
Um de verdade
Que já conheci
E onde,
De acidente em acidente,
Quase morri!
O outro, de sonho,
Pavimentado de ilusão,
É onde agora quero caminhar,
Dar meu coração
Amar, amar
E sonhar!
 
 
publicado por disa às 21:05
link do post | comentar | favorito
|
Segunda-feira, 4 de Dezembro de 2006

Sonhei

Por ti, nasci

Para o sonho

E vivi!

 

Por ti

Subi ao céu

Numa noite de luar,

Colhi uma estrela

E enfeitei o teu olhar!

 

Por ti

Meu coração ganhou asas,

Voou,

Minha alma floriu

E seu perfume exalou!

 

Sem ti

Não há estrelas,

Não há luar!

Perdi

A luz do olhar,

O sorriso teu!

Sem ti

O meu sonho morreu!

 

publicado por disa às 22:31
link do post | comentar | favorito
|
Domingo, 3 de Dezembro de 2006

Música do amor

Com amor,

As teclas da tua pele dedihei

Suavemente,

E, 

Ao sabor duma doce melodia,

Nossos corpos, num só,

Perdidamente,

Dançaram com alegria!

 

publicado por disa às 13:35
link do post | comentar | favorito
|
Sábado, 2 de Dezembro de 2006

Viver no escuro ou viver na luz?

Pousando aqui, pousando ali, andava esvoaçando a mariposa, sem rumo nem direcção, apenas para passar o tempo!

De repente, pareceu-lhe ouvir soluçar, baixinho. Pousou numa urze que havia por perto e pôs-se a escutar!

- Ah! É mesmo verdade! - murmurou, aproximando-se para ver melhor!

- O que fazes aí pirilampo nesse canto escuro e escondido? E porquê é que estás a chorar?

- Estou muito triste! Sou muito feio e não tenho amigos, não tenho ninguém! - disse soluçando.

- Porquê é que dizes que és feio, pirilampo? - perguntou a mariposa.

- Só sei que sou feio. Não gosto dos meus olhos, são pequeninos, não gosto da minha cor, não gosto da minha voz, ... - e continuou!

- Não sabes o que estás a dizer, pirilampo. Os teus olhos quer sejam pequenos ou grandes há algo neles que é muito mais importante que o tamanho, a forma, ou a cor, sabes o que é?

- Não.

- É o olhar, é a sua doçura! Já pensaste se não pudesses ver a cor desta urze, por exemplo, o brilho das estrelas, a luz do luar, a mim que estou aqui ao pé de ti? - enquanto ia ouvindo atentamente, o seu choro ia ficando mais débil.

-Tens razão, mas a minha cor também não ajuda!

- O que é que tem a tua cor? És escuro mas, por isso, é que tens a capacidade de dar luz! Uma luz  radiante que podes aproveitar para transmitir aos outros!

E a tua voz o que tem a tua voz? Estou aqui a falar contigo e ainda não notei nada?

- Ah! Ah! É que... - ia continuar a lamentar-se, mas a mariposa atalhou:

- A tua voz é a tua voz não há outra igual! Não há duas vozes iguais! Já pensaste naqueles que não podem falar porque não têm essa capacidade? O que conta são as palavras e o tom que serve para distinguir o sentimento com que as pronuncias. É esse registo que fica gravado no receptor: ditas com carinho, com indiferença ou com agressividade!

O tom que escolheres usar será directamente proporcional ao número de amigos que farás! Se não disseres nada como tens feito até aqui, ninguém poderá conhecer a cor do teu coração!

Em primeiro lugar aprende a gostar de ti próprio só assim poderás gostar dos outros e de estar com os outros! Depois, sai desse lugar escuro e escondido, acende a luz que há em de ti, ilumina o teu rosto de alegria interior espontânea, solta as palavras doces, meigas e verdadeiras que habitam no teu coração e em cada ser que encontrares, terás um amigo!

A vida é efémera, por isso, tem de ser vivida e apreciada, em cada instante, cada segundo! Mas, somos nós que temos de ir ter com ela, entrar nela e deixar a nossa marca, o nosso cunho que deverá ser, sobretudo,  de amizade e de amor!

Quem estiver na vida com luz, amizade e amor  nunca estará só!

  

publicado por disa às 23:17
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Outubro 2008

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
24
25
26
27
28
29
30
31
blogs SAPO

.subscrever feeds